Histórias, artigos e reportagens

05 livros-reportagem nacionais para se ler hoje

in Reportagens, artigos, resenhas e afins por

Ah, essas famosas listas de livros para se ler… também não poderíamos deixar de publicar uma com alguns dos mais importantes livros-reportagens nacionais que são essenciais para o conhecimento de qualquer jornalista que pretenda iniciar sua carreira como autor de livros.

As sinopses nós retiramos dos sites das editoras responsáveis pela publicação ou distribuição dos livros.

Os Sertões, Euclides da Cunha

Sinopse: Considerado o primeiro livro-reportagem brasileiro. Uma das obras mais importantes para se compreender o Brasil, Os Sertões é um retrato complexo da realidade geográfica e humana do homem do sertão, figurando como obra singular pela mistura dos gêneros épico, lírico, dramático, e explicando científica e literariamente um importante momento da história nacional.

Relato minucioso sobre a Guerra de Canudos, ocorrida entre 1896 e 1897, o livro nos dá a medida de grandeza do universo verbal de Euclides da Cunha, em um cenário cultural dominado por grandes estilistas da Língua Portuguesa, como Machado de Assis, Raul Pompéia, Olavo Bilac, Coelho Neto e Rui Barbosa.

Domínio público, livro gratuito para download:
http://www.fundar.org.br/bbb/index.php/project/os-sertoes-euclides-da-cunha/

As religiões do Rio, João do Rio

Sinopse: Resultado de uma coletânea de crônicas escritas entre 1900 e 1903, na Gazeta de Notícias, sobre a diversidade religiosa do Rio de Janeiro, este livro de estreia de João do Rio, publicado pela primeira vez em 1904, mantém, até os dias de hoje, grande interesse, talvez por seu pioneirismo estético e ideológico, e certamente pelo envolvimento do autor com o tema escolhido para suas reportagens.

Seu texto tem o mérito de não aplainar, não generalizar. Ao contrário, o autor imprime uma ênfase explícita na diversidade, no respeito a todas as religiões, mesmo sem compartilhar suas crenças.

Domínio público, livro gratuito para download:
http://www.fundar.org.br/bbb/index.php/project/as-religioes-do-rio-joao-do-rio/

Rota 66, Caco Barcellos

Livro que lançou o repórter Caco Barcellos no mercado editorial, Rota 66 exigiu uma investigação de mais de um ano para identificar cerca de 4.200 pessoas mortas pela ROTA (Rondas Ostensivas Tobias Aguiar), maior batalhão da polícia militar e o mais “matador” do país. Publicado em 1992, o livro traz nomes e detalhes de assassinatos cometidos por oficiais da ROTA contra pessoas inocentes ou apenas suspeitas. Por causa da repercussão do livro entre os militares, Caco precisou ser enviado pela Rede Globo ao exterior, onde viveu alguns anos até que a poeira abaixasse.

Sinopse: Resultado de um rigoroso processo de investigação jornalística, este livro de Caco Barcellos assume proporções de uma grave denúncia social. Armado de dados incontestáveis que surgiram de um trabalho efetivo de cinco anos, Barcellos desmonta a trama do “esquadrão da morte oficial” de São Paulo. Inocentes assassinados, matadores equipados pela própria sociedade, sistema incentivador, Justiça conivente. Nada escapa à visão arguta do repórter, que repeliu a ideia de “se acostumar a enxergar” seu cotidiano de trabalho que se repete há anos em veículos da grande imprensa do país.

Editora Record:
http://www.record.com.br/livro_sinopse.asp?id_livro=20474

Corações Sujos, Fernando Morais

Sinopse: A Shindo Renmei, ou “Liga do Caminho dos Súditos”, nasceu em São Paulo após o fim da Segunda Guerra, em 1945. Para seus seguidores, a notícia da rendição japonesa não passava de uma fraude aliada.

Em poucos meses a colônia nipônica, composta de mais de 200 mil imigrantes, estava irremediavelmente dividida: de um lado ficavam os kachigumi, os “vitoristas” da Shindo Renmei, apoiados por 80% da comunidade japonesa no Brasil. Do outro, os makegumi, ou “derrotistas”, apelidados de “corações sujos” pelos militantes da seita. Militarista e seguidora cega das tradições de seu país, a Shindo Renmei declara guerra aos “corações sujos”, acusados de traição à pátria pelo crime de acreditar na verdade.

De janeiro de 1946 a fevereiro de 1947, os matadores da Shindo Renmei percorrem o Estado de São Paulo realizando atentados que levam à morte 23 imigrantes e deixam cerca de 150 feridos. Em um ano, mais de 30 mil suspeitos dos crimes são presos pelo Dops, 381 são condenados e 80 são deportados para o Japão. Nesta sua volta à grande reportagem, Fernando Morais conta a história da seita nacionalista que aterrorizou a colônia japonesa no Brasil.

Companhia das Letras:
http://www.companhiadasletras.com.br/detalhe.php?codigo=13244

Holocausto brasileiro, Daniela Arbex

Sinopse: Durante décadas, milhares de pacientes foram internados à força, sem diagnóstico de doença mental, num enorme hospício na cidade de Barbacena, em Minas Gerais. Ali foram torturados, violentados e mortos sem que ninguém se importasse com seu destino. Eram apenas epilépticos, alcoólatras, homossexuais, prostitutas, meninas grávidas pelos patrões, mulheres confinadas pelos maridos, moças que haviam perdido a virgindade antes do casamento.

Ninguém ouvia seus gritos. Jornalistas famosos, nos anos 60 e 70, fizeram reportagens denunciando os maus tratos. Nenhum deles — como faz agora Daniela Arbex — conseguiu contar a história completa. O que se praticou no Hospício de Barbacena foi um genocídio, com 60 mil mortes. Um holocausto praticado pelo Estado, com a conivência de médicos, funcionários e da população.

Geração Editorial:
http://geracaoeditorial.com.br/holocausto-brasileiro/

A Incrível e Fascinante História do Capitão Mouro, Georges Bourdoukan

Sinopse: O jornalista, escritor e estudioso da cultura árabe narra a saga de vários personagens tendo por cenário a Capitania de Pernambuco.

Capitão Mouro é um livro fenomenal que mistura a história do Brasil e o talento de Georges Bourdoukan, criando um pouco de ficção em meio aos fatos históricos para contar a incrível e fascinante história do Capitão Mouro, figura que fez parte de um importante período da História Brasileira. Ao criar diálogos entre personagens da História, Bourdoukan mistura um pouco de ficção aos fatos históricos que culminaram no Quilombo dos Palmares, a fortaleza construída para defender os escravos negros que fugiam da escravidão nas fazendas de cana-de-açúcar e se juntavam ao líder Zumbi.

A saga de Saifudin, o mouro náufrago resgatado por um navio mercante e trazido ao Brasil pelo judeu Ben Suleiman, é a saga multirracial que retrata metaforicamente a formação do Brasil. Bourdoukan é jornalista e escritor, e usa seus vastos conhecimentos da história antiga e da história contemporânea para juntar os pedaços de documentos muito antigos em uma história contada em flashs sobre a presença de um muçulmano que é tirado de seu caminho para meca por um navio pirata e acaba seus dias no Brasil ensinando o Governador da Capitania de Pernambuco a lidar com a saúde pública ao mesmo tempo em que se alia a Zumbi para construir as fortificações de Palmares, Quilombo que marcou a história da escravidão no Brasil.

Capitão Mouro é um livro instigante, que suga o leitor para dentro da narrativa. É quase impossível deixá-lo de lado depois de começar a lê-lo. É uma experiência literária incomparável e ao mesmo tempo uma lição sobre a perversão que marcou a história do Brasil, seja no aspecto econômico seja no aspecto humano. A imagem dos bandeirantes, tidos como heróis, é contada sob outro ponto de vista, mostrando que nem todos foram representantes dignos da adoração que recebem. Em alguns trechos, é preciso parar para respirar e refletir, porque é de embrulhar o estômago ler as barbáries que eram cometidas contra negros, crianças e índios, em busca de riqueza e poder numa terra sem dono.

O livro também trata da Inquisição, o período negro de dominação da Igreja Católica, e da construção do patrimônio da Igreja por meio do medo, da influência política e dos jogos de poder, disfarçados de cruzada religiosa contra o mal. Não é à toa que Capitão Mouro chegou a seis edições. Deveria ser leitura obrigatória nas disciplinas de história país afora para alunos de história, mostrando que além da história oficial, há muito o que se saber sobre o Brasil. Bourdoukan escreveu um livro genial, digno de uma leitura atenta e da indicação para os melhores amigos.

Editora Casa Amarela:
http://lojacarosamigos.com.br/Produto-1-Livros-A-Incrivel-e-Fascinante-Historia-do-Capitao-Mouro-versao-48-48.aspx

typewriter

Deixe uma resposta

Latest from Reportagens, artigos, resenhas e afins

Nenhuma a menos!

Foi dito: ‘Aquele que se divorciar de sua mulher deverá dar-lhe certidão

O Agro é tudo?

Uma contínua campanha midiática exibida em toda a rede em diversos horários
Go to Top