Histórias, artigos e reportagens

Nenhuma a menos!

in Reportagens, artigos, resenhas e afins por and

Foi dito: ‘Aquele que se divorciar de sua mulher deverá dar-lhe certidão de divórcio’. Mas eu digo que todo aquele que se divorciar de sua mulher, exceto por imoralidade sexual, faz que ela se torne adúltera, e quem se casar com a mulher divorciada estará cometendo adultério.

Mateus 5:31-32

***

A previsão era de chuva para o dia 8 de março. Levamos o guarda-chuva que ainda estava molhado da tempestade do dia anterior, junto com o cartaz que havíamos feito quatro dias antes. Mas para a alegria de muitas, e tristeza de outros, o dia estava lindo!

A Avenida Paulista é uma belezura de dia, de noite, com sol, com chuva. Mas nesse dia em especial, ela estava perfeita. Na maioria das manifestações que começam no MASP, a Paulista se enche de cor vermelha, verde e amarelo, azul e branco. No dia 8, ela estava rosa e lilás, para representar o movimento das mulheres.

Milhares delas foram às ruas protestar contra a violência, o feminicídio, o assédio, a desigualdade, a legalização do aborto e contra a reforma da previdência. E nós éramos duas entre tantas, e alguns homens.

Procuramos nas fontes oficiais, como a Policia Militar e Prefeitura, o número de manifestantes nesse dia. Não encontramos. Para falar a verdade, não vimos em lugar algum coberturas sobre a manifestação. Se você fizer uma busca rápida no Google verá que as únicas notícias são de veículos menores, como Mídia Ninja, que normalmente faz a cobertura desses movimentos.

Independentemente dos números, que muitas vezes são mascarados pela mídia ou pelos órgãos que fazem este levantamento, nós estávamos lá e vimos com nossos próprios olhos que havia muitas, muitas mulheres. Mulheres com seus filhos, com seus companheiros ou companheiras, com seus bichos de estimação, pais, avós e mulheres com seus cartazes. Um mais criativo que o outro, como por exemplo: “Homens, apenas parem!”.

Mesmo com muita divulgação e ações nas redes sociais, o número de mulheres da frente evangélica presente, foi pequeno. Por isso, espalhamos os cartazes entre nós, e como ainda havia sobrado alguns, fomos revezando. Partimos do MASP e descemos sentido a Brigadeiro Luís Antônio, trajeto comum de manifestações, cantando, gritando, rindo, se emocionando e lutando.

Foi a nossa primeira manifestação. E foi emocionante. Poder ver que existem muitas outras que lutam por seus direitos é encorajador, pois a nossa luta não tem data para acabar, vai ser árdua, longa e difícil, e talvez nós nem iremos presenciar as mudanças que tudo isso vai causar na sociedade. Quem sabe a próxima geração tenha mais sorte e possa usufruir da liberdade de ser mulher?

Muitos ônibus estavam parados, aguardando a mulherada descer para a Praça da Sé e liberar a passagem. Alguns passageiros, voltando do trabalho, indo para casa ou para a faculdade, acenavam para nós enquanto gritávamos “vem pra rua, vem!”.

Entre as cenas que mais chamaram a nossa atenção está a de algumas passageiras levantando-se de seus lugares, pedindo para o motorista abrir a porta e descer para se juntar a nós, para participar da manifestação.

Algumas de salto e roupas social, outras com mochila, jeans e tênis. Como o trajeto é repleto de edifícios, as janelas e varandas foram tomadas por curiosos, entre algumas empregadas domésticas, que apareciam com seus uniformes e levantavam o punho, recebendo uma enxurrada de aplausos da multidão. Muitas choraram com o gesto.

Chegando mais perto da Sé, as organizadoras pediram para que nos sentássemos na rua. Uma imagem impressionante e linda de se ver. Em minutos a Brigadeiro Luís Antônio estava inundada de mulheres sentadas no chão, em silêncio ensurdecedor, transmitindo um veemente recado. Uma mulher com alto falante levanta e diz:

Vou fazer uma pergunta, quero que levantem as mãos.

Sem pedir, a pergunta foi passada de bloco em bloco, até chegar ao final da marcha. E ela pergunta novamente:

— Quem de vocês já foi assediada?

Todas, enquanto repassavam a pergunta, levantavam as suas mãos. Todas.

— Quem de vocês já sofreu machismo na escola?

Todas.

— Quem de vocês já sofreu abuso?

Todas.

— Essa manifestação de hoje, é por isso! Que isso, não se repita mais! Pois, nossa luta é contra o machismo e é todo dia!

Aplausos tomam conta dos nossos ouvidos.

E eu, Bia, noto que algumas mulheres à minha volta estão chorando, com os punhos estendidos e cartazes com frases como:

“Quero o meu direito de ser mulher!”;

“Eu não mereço morrer por ser mulher!”;

“Quando eu digo não, é não!”.

typewriter

Ilustrações: Milton Rocha Junior

Capítulo 05 do livro “Reféns da fé: mulheres evangélicas sofrem mais violência?

Deixe uma resposta

Latest from Reportagens, artigos, resenhas e afins

O Agro é tudo?

Uma contínua campanha midiática exibida em toda a rede em diversos horários
Go to Top